Morreu Augusto Carneiro, um dos ícones do ambientalismo gaúcho

Augusto Carneiro na Audiência Pública do Ministério do Rio Grande do Sul sobre a derrubada de árvores no entorno do Gasômetro - 19/2/2013 - Foto: Cesar Cardia

Augusto Carneiro na Audiência Pública do Ministério do Rio Grande do Sul sobre a derrubada de árvores no entorno do Gasômetro – 19/2/2013 – Foto: Cesar Cardia

Coluna publicada em 08/04/2014 no Jornal do Comércio/RS

Carneiro unia discurso à ação

Guilherme Kolling

“Aqui é tudo ecologia!” Esse era o bordão com que Augusto Carneiro (foto) chamava a atenção de clientes que passavam em frente à sua banca de livros na feira ecológica de sábado da avenida José Bonifácio, em Porto Alegre. Logo mostrava títulos sobre o tema ambiental e, vendendo ou não as publicações, distribuía propaganda ecológica – cópias de reportagens, em sua maioria, com temas que iam da importância de manter no solo as folhas secas que caem das árvores até o destino correto do lixo.

Carneiro foi um incansável divulgador das causas ambientais no Rio Grande do Sul. Mas o marcante, em sua trajetória, é que ele ia além do discurso, colocava em prática o que dizia. Era um homem de ação.

Em 2001, fui ao seu apartamento na rua da República para uma entrevista sobre o movimento ecológico gaúcho. Centenas de recortes de matérias de jornais e revistas, encadernados em imensos álbuns, não deixavam dúvidas sobre a atuação do grupo nas décadas de 1970 e 1980 – campanhas contra a poda incorreta de árvores na Capital, a poluição da fábrica de celulose da Borregaard, em Guaíba, ou a busca das causas do que ficou conhecido como Maré Vermelha, na praia do Hermenegildo.

Mas havia outras mostras de sua dedicação além dos registros da imprensa. Carneiro mantinha seis recipientes distintos para separar o lixo doméstico em sua residência. Em outra peça da casa, mais um exemplo: uma centena de exemplares do livro O Rio Grande do Sul e a Ecologia, coletânea de textos de Henrique Luís Roessler, que combatia o desmatamento e a poluição dos rios no Vale do Sinos nas décadas de 1950 e 1960. Carneiro reuniu os artigos e bancou a edição do livro.

Roessler inspirou Carneiro, que queria criar uma entidade ecológica. Depois de várias tentativas, conseguiu, em abril de 1971, quando, com a parceria de José Lutzenberger e Hilda Zimmermann, fundou a Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural (Agapan).

Carneiro e Lutzenberger - acervo  JÁ Editores

Carneiro e Lutzenberger nos anos 70 – acervo JÁ Editores

Secretário, tesoureiro, cobrador – eram mais de mil sócios em dia –, Carneiro assumia múltiplas tarefas na Agapan. Conseguiu até uma sede na Rua da Praia, onde ocorriam reuniões com palestras de Lutzenberger. Enquanto Lutz participava de debates, redigia artigos e concedia entrevistas, Carneiro organizava tudo, participava de ações de rua e fazia divulgação. “O noticiário era todo nosso, porque, durante a ditadura, havia censura à cobertura política ou qualquer tipo de protesto, então, ganhávamos um baita espaço. Eles não nos consideravam subversivos. Mas nós éramos”, costumava dizer.

É difícil mensurar o legado deixado por Carneiro, que morreu ontem, aos 91 anos. Mas, certamente, pode-se dizer que ele deu uma contribuição importante para que Porto Alegre seja uma cidade bem arborizada. A consciência ambiental da população também é um dos seus frutos.

Mesmo triste, Carneiro foi protestar contra os cortes de árvores no entorno do Gasômetro em 7 de fevereiro de 2013 – Foto: Cesar Cardia

Mesmo triste, Carneiro foi protestar contra os cortes de árvores no entorno do Gasômetro em 7 de fevereiro de 2013 – Foto: Cesar Cardia

Recentemente, ativistas subiram em árvores para evitar o corte – gesto que já ocorrera em 1975, quando a Agapan e estudantes conseguiram impedir a derrubada de árvores na avenida João Pessoa. Agora, a cidade acompanha a luta pela instituição do Parque do Gasômetro – Carneiro participou de campanhas que resultaram na criação dos parques do Delta do Jacuí, na Capital, de Itapuã, em Viamão, e da Guarita, em Torres.

Seriam necessárias várias colunas como esta para retratar a contribuição de Carneiro como ecologista, livreiro – participou da primeira Feira do Livro de Porto Alegre – e defensor do naturismo. Assim, deixo duas sugestões de leitura: Augusto Carneiro, depois de tudo um ecologista, de Lilian Dreyer (PeloPlaneta/Scortecci Editora, 2013), e Pioneiros da Ecologia, de Elmar Bones e Geraldo Hasse (JÁ Editores, 2007).

Link para a matéria no Jornal do Comércio:  http://jcrs.uol.com.br/site/noticia.php?codn=158751

Este slideshow necessita de JavaScript.

Anúncios

Para que servem nossos vereadores?

Quais as reais funções e atribuições de um “vereador”?

Em época eleitoral, não faltam promessas de candidatos ao cargo de vereador. Alguns candidatos são ilustres desconhecidos, outros são “figurinhas já carimbadas” do meio político. Nessas horas aproveitadores se apresentam como líderes comunitários, defensores do Meio Ambiente, prometem acabar com qualquer problema nas cidades, especialmente aqueles mais prementes. No pleito pelos cargos públicos, sejam eles em esfera municipal, estadual ou federal, o apelo e a tentativa do convencimento por meio de promessas é um dos mecanismos mais usados pelos candidatos. E nessa busca pelo voto, pelo apoio, os candidatos podem se perder em meio às promessas de ações impraticáveis, seja pela complexidade do assunto, seja pela própria limitação das atribuições legais daquele cargo almejado. No entanto, no afã pela vitória, não apenas se fala demais, mas se promete absurdos, como se vê nas eleições para vereador a cada quatro anos. Nesse sentido, conhecer as atribuições e verdadeiras funções do cargo legislativo municipal é fundamental não apenas aos que almejam ocupar tais cargos, mas principalmente para os eleitores, os quais munidos de algumas noções facilmente poderão identificar falácias, mentiras e uma sorte de discursos eleitoreiros absolutamente descolados da realidade.

No Dia da Árvore, em 2011, a Câmara não votou o projeto dos Túneis Verdes

VEREADOR

Vereador é sinônimo de Edil.

Vereador é a “pessoa que verea”, ou seja, é o cidadão eleito para cuidar da liberdade, da segurança, da paz, do bem-estar dos Munícipes.

Verea é do verbo verear, que significa administrar, reger, governar.

FUNÇÕES

A Câmara Municipal exerce funções legislativas, fiscalizadoras, administrativas, judiciárias e de assessoramento.

FUNÇÕES LEGISLATIVAS

A Câmara, no exercício de funções legislativas, participa da elaboração de leis. Tem os seus membros o direito: de iniciativa de projetos de lei, de apresentar emenda a projetos de lei, de aprovar ou rejeitar projetos, de aprovar ou rejeitar veto do prefeito.

FUNÇÕES FISCALIZADORAS

É de competência da Câmara Municipal fiscalizar e controlar os atos do Poder Executivo – Prefeito e Secretários Municipais – incluídos os atos da administração indireta.

A Câmara fiscaliza e julga as contas do prefeito.

A Câmara exerce ainda função fiscalizadora mediante requerimento de informações sobre a administração, com a criação de Comissões de Inquérito para apuração de fato determinado, com a convocação de autoridades para depor.

FUNÇÕES ADMINISTRATIVAS

A Câmara exerce função administrativa na organização dos seus serviços como composição da Mesa, constituição das Comissões, estrutura de sua Secretaria.

FUNÇÕES JUDICIÁRIAS

A Câmara Municipal exerce ainda função do Poder Judiciário, pois processa e julga:

– o Prefeito Municipal;

– os Vereadores.

A pena imposta ao Prefeito é a decretação do impeachment (perda do mandato) e ao Vereador é também com a perda do mandato.

FUNÇÕES DE ASSESSORAMENTO

A Câmara exerce função de assessoramento, ao votar indicação, sugerindo medidas ao Prefeito, de interesse da administração como, entre outras, construção de escolas, abertura de estradas, limpeza de vias públicas, assistência à saúde, dentre outras.

Separando o “joio do trigo”

Em Porto Alegre não é diferente das demais cidades, existem vereadores (as) que mesmo sob grande pressão do executivo municipal e de poderosos grupos econômicos continuam sendo fiéis ao que mandato que exercem, defendendo o interesse público e legislando com responsabilidade. Muitas vezes são minoria, como todos percebem, desde que acompanhem com atenção o que sepassa na Casa Legislativa Municipal.

Um dos grande exemplos disso foi a votação do famoso projeto imobiliário Pontal do Estaleiro, quando um vereador apresentou um projeto que alteraria a legislação municipal para beneficiar um empreendimento imobiliário residencial às margens do nosso Guaíba. Atualmente alguns dos então vereadores não exercem mais o cargo, mas muitos deles ainda estarão disputando vagas na Câmara.

Lembrando como votaram em novembro de 2008:

Responsáveis pela VERGONHA!

Alceu Brasinha (PTB) – vereador que apresentou o “projeto”

Almerindo Filho (PTB)

Bernardino Vendruscolo (PMDB)

Dr. Goulart (PTB)

Elias Vidal (PPS)

Ervino Besson (PDT)

Haroldo de Souza (PMDB)

João Carlos Nedel (PP)

João Antônio Dib (PP)

João Bosco Vaz (PDT)

José Ismael Heinen (DEM)

Luiz Braz (PSDB)

Maria Luiza (PTB)

Maristela Meneghetti (DEM)

Maurício Dziedricki (PTB)

Mauro Zacher (PDT)

Nereu D´Avila (PDT)

Nilo Santos (PTB)

Sebastião Melo (PMDB)

Valdir Caetano (PR)

Quem votou contra:

Adeli Sell (PT) – era favorável ao projeto mas teve que acompanhar o partido

Aldacir Oliboni (PT)

Beto Moesch (PP)

Carlos Todeschini (PT)

Cláudio Sebenelo (PSDB)

Dr. Raul (PMDB)

Guilherme Barbosa (PT)

José Valdir (PT)

Marcelo Danéris (PT)

Margarete Moraes (PT)

Maria Celeste (PT)

Mauro Pinheiro (PT)

Neuza Canabarro (PDT)

Professor Garcia (PMDB)

Sofia Cavedon (PT)

Felizmente sempre aparecem candidatos de qualidade para concorrer ao cargo de vereador de nossa cidade, como é o caso do professor Filipe de Oliveira (PV – integrante do extinto Movimento Porto Alegre Vive que lutava por um Plano Diretor que respeitasse os direitos dos moradores e não dos construtores e também membro do Fórum de Entidades para a Revisão do Plano Diretor de Porto Alegre). Filipe foi um dos que participou ativamente da luta contra o Pontal do Estaleiro e por ser ambientalista poderá um dos que irão tentar preencher a lacuna deixada pelo brilhante ambientalista Beto Moesch, que decidiu não mais concorrer à vereança.

Uma boa surpresa em 2008  foi a eleição dos vereadores Airto Ferronato (PSB), Tony Proença (hoje PPL) e Fernanda Melchionna (PSOL).

Ferronato sempre se colocou à disposição para ouvir os posicionamentos de moradores e entidades ambientalistas. Tony Proença, mesmo quando era do PPS  (partido da base do governo) era simpático a muitas reivindicações de entidades de moradores e substituiu a vereadora Neuza Canabarro como coordenador do Fórum de Entidades no segundo período da Revisão do PDDUA.

Fernanda Melchionna teve uma importante participação na luta do NÃO ao Pontal do Estaleiro, mesmo quando ainda não tinha tomado posse na Câmara Municipal, o que só ocorreu em 2009.

Por essas e outras é muito importante saber o que pensam e o que fizeram anteriormente os candidatos à reeleição e os que postulam a vereança pela primeira vez. Separar o “joio do trigo” é sim responsabilidade do eleitor preocupado com o futuro de nossa cidade. Esteja atento, existem muitos candidatos enganadores por aí…

Porto Alegre envergonhada

Lembrando a votação do Pontal do Estaleiro

A especulação imobiliária venceu

Vereadores e o Pontal do Estaleiro

Com a chantagem da Copa do Mundo…

Isso é histórico: “Túneis Verdes” atrapalham a Copa

A vitória do ATRASO

Quase todos concordaram com o projeto dos Túneis Verdes

Em 23 de agosto de 2009 a cidade disse NÃO!

NÃO aos “espigões” na Orla!

No dia 23 de agosto de 2009 aconteceu uma “Consulta Pública” para definir se a população de Porto Alegre concordava com uma alteração na legislação municipal que permitiria a construção de um empreendimento residencial na Orla do Guaíba.

A cidade se mobilizou para impor uma derrota memorável aos defensores de “espigões” na Orla e foi vitoriosa.

80,7% dos que compareceram às urnas eleitorais votaram NÃO!

Vale lembrar o que escreveu o cineasta Carlos Gerbase após essa memorável vitória:

Porque NÃO!

Carlos Gerbase em 24 de agosto de 2009*

Venceu o NÃO, de goleada: 18.212 x 4.362. O que isso significa? Legalmente, que está proibida a construção de residências na área do Pontal. O que é proibir muito pouco, dizem alguns. Concordo. Também dizem que a consulta deveria ser muito mais ampla. Concordo. Também dizem que a pergunta deveria ser algo assim: “Você, como cidadão de Porto Alegre, admite a construção de qualquer coisa que prejudique a orla do Guaíba, paisagística ou ecologicamente, em nome do progresso?”

Concordo que seria uma pergunta muito mais bacana. Mas não concordo que seja uma pergunta viável. Teríamos que, primeiro, determinar o que é uma construção “paisagística e ecologicamente prejudicial à orla”. Também teríamos que determinar o que significa a palavra “progresso”. Em outras palavras: teríamos que colocar o Plano Diretor da nossa cidade para ser amplamente debatido e depois referendado numa Consulta Popular. Talvez seja uma boa idéia! Alô, prefeito Fogaça, fica a sugestão. Aí, sim, teríamos uma discussão ecológica com repercussão mundial.

Por enquanto estávamos “apenas” discutindo as possíveis residências no Pontal. Pode parecer pouco, mas era muito. A vitória do NÃO era fundamental neste momento. Aprendi, faz tempo, que a política – durante um processo eleitoral – é a conquista de consciências, e que isso acontece no campo do imaginário, e não na fria racionalidade dos argumentos. Também aprendi que, sem emoção, o imaginário não existe. Isso explica a derrota e a goleada sofrida pelo SIM, que prometia “mais empregos” e “mais progresso”.

Uma única bela imagem do pôr do sol derruba uma grande fila de argumentos racionais. Que bom! Foram exatamente a racionalidade, a modernidade, a crença no poder das máquinas e dos edifícios imensos que levaram a humanidade para esse beco sem saída que é o nosso planeta hoje. Cada vez mais, a racionalidade e a ciência precisam ser devidamente temperadas com a emoção e os sentimentos. Ou viveremos como máquinas em cidades construídas para máquinas.

A vitória do NÃO extrapola, e muito, o campo legal. É uma vitória que será citada milhares de vezes daqui pra frente. É uma vitória da noção de “ecologia” contra a noção de “progresso”. Desconfio dos que enchem a boca para falar de progresso. Esse progresso que está aí não me serve. É um progresso para poucos. É um progresso bom para quem ganha dinheiro com especulação imobiliária, com latifúndios nos campos, com fábricas de alimentos envenenados, e depois vai curtir o final de semana num sítio bacana, cheio de verde, longe da cidade poluída que ajudou a construir. É um progresso péssimo para a maioria da população, que já aprendeu algumas coisas sobre promessas de empregos e de lugares bonitos construídos pela iniciativa privada.

A Zero Hora de hoje (página 10, coluna de Rosane Oliveira) diz que “foi irrelevante a participação dos porto-alegrenses na consulta popular”. É uma frase muito estranha. A colunista política – que cotidianamente lida com pesquisas de opinião sobre a intenção de voto, e as utiliza para mapear o que está acontecendo na política da cidade – desconsidera uma amostragem de mais de 22 mil porto-alegrenses? Estranho.

Fui pesquisar qual é a amostragem de uma pesquisa do Ibope para uma eleição municipal. O Instituto Methodus, em 3 de outubro de 2008, entrevistou 1.050 eleitores e determinou que, com 3,1 pontos percentuais para mais ou para menos, num intervalo de confiança de 95%, o candidato José Fogaça estava na frente no primeiro turno e, num segundo turno, também venceria folgadamente. Quem é o prefeito da cidade?

Mesmo que a Consulta Popular não tenha estratificado a “amostra” (de acordo com classe social, região do eleitor, etc.), a amostra é vinte vezes maior! E tem mais: não se trata de responder a um pesquisador, muito antes da eleição, que depois anota a resposta num formulário, que depois entrega o formulário para alguém, que depois faz as contas e manda para o jornal. Foram votos em urnas eletrônicas!

Se essa “amostra” não vale para determinar a vontade da população, cara Rosane, por favor, não considere mais o resultado de nenhuma pesquisa eleitoral em sua coluna. Elas são todas “escassas” e “irrelevantes”. Menosprezar ou diminuir o resultado dessa votação é, no mínimo, pouco democrático. Aliás, se a democracia quiser ser mais ecológica e funcionar melhor, para o bem de todos, terá que ser cada vez mais participativa e menos representativa. Só por esse fato a Consulta Popular já se justifica.

*Do Blog de Carlos Gerbase

O músico e cineasta Carlos Gerbase é diretor da Casa de Cinema de Porto Alegre.

Leia mais sobre a vitória do NÃO:

Quem construiu a Vitória do Não

Porto Alegre disse NÃO

Frente do NÃO

Ouça o final do programa Conversas Cruzadas que antecedeu a “Consulta Pública” do dia 23 de agosto de 2009:

Porto Alegre 240 anos

Porto Alegre vista do Guaíba - 22 de março de 2012 - Foto: Cesar Cardia/Amigos da Rua Gonçalo de Carvalho

Neste dia 26 de março a cidade de Porto Alegre comemora seus 240 anos.

Porto Alegre é uma cidade que tem por tradição a participação de seus cidadãos em momentos fundamentais de sua história. Que continue assim, dizendo SIM ou NÃO sempre que for necessário, para o bem das gerações futuras!

Mensagem do escritor Moacyr Scliar no vídeo "Não ao Pontal do Estaleiro"

Ramilonga – Vitor Ramil:

Porto Alegre - gravura de 1881

O “abraço ao Guaíba” em 1988

A “vitória do Não” ao projeto Pontal do Estaleiro em 2009

Algumas imagens históricas de Porto Alegre

Este slideshow necessita de JavaScript.

Nos anos 70 a ecologia passou a ser um tema subversivo

Jornal do Comércio entrevista Francisco Milanez, presidente da AGAPAN.

Entrevista Especial Notícia da edição impressa de 02/01/2012

Movimento ecológico deve ser visionário, entende Milanez

Guilherme Kolling e João Egydio Gamboa

Militante da Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural (Agapan) há 40 anos, o biólogo e arquiteto Francisco Milanez reassumiu o comando da ONG no final de 2011 – ele já havia sido presidente da Agapan nos anos 1990. O ativista reconhece que a causa ambiental e o termo ecologia estão mais incorporados à sociedade e aos governos após 40 anos, o que altera o papel do movimento ecológico. Entretanto, Milanez sustenta que o ambientalismo deve permanecer com um pensamento de vanguarda, à frente do seu tempo, para levantar problemas ou soluções que não são vistos. “Éramos chamados de ‘folclóricos’, mas nossas afirmações foram confirmadas 20 ou 30 anos depois”, lembra, ao citar campanhas da Agapan. Ele defende que, agora, o foco deve ser educação ambiental. Nesta entrevista ao Jornal do Comércio, Milanez ainda fala da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, Rio+20 – que ocorre em junho, no Rio de Janeiro, duas décadas depois da ECO-92 -, e do Fórum Social Temático, que acontece em janeiro em Porto Alegre e que é preparatório a Rio+20.

Milanez (à direita) participando de um "Agapan Debate" em setembro de 2009 - Foto: Blog Amigos da Rua Gonçalo de Carvalho

Jornal do Comércio – Se está há 40 anos na Agapan, o senhor começou jovem, não?

Francisco Milanez – Estava no 1º grau no Colégio Anchieta e um colega mais velho das minhas irmãs havia participado da criação da Agapan. E ele – se chama Fernando Celso – veio me procurar porque eu já falava de ecologia. “Olha, tem um negócio para ti.” E me levou numa reunião da Agapan no fim do ano (1971). A entidade havia sido fundada em abril.

JC – E já conhecia José Lutzenberger na época?

Lewgoy e Lutzenberger - AGAPAN nos anos 70 - Foto: arquivo da AGAPAN

Milanez – Conheci lá. Depois das reuniões, havia o tradicional chopinho e Lutz me “entrevistou”: “O que achou? Vai ficar?” E eu disse: “Ah, não sei, estou achando uma coisa muito tapa-buraco”, porque na época havia muitas lutas. Argumentei que com a ecologia a gente precisava fazer uma profunda reforma na sociedade. E ele: “Olha, eu até concordo. Mas até a gente fazer essa mudança, não vai ter mais o que proteger.” As primeiras lutas eram contra a poda das árvores, contra a retirada de pedras de morros, que resultou, por exemplo, na criação do Parque de Itapuã. Poucos anos depois a gente prosseguiu contra a fábrica da Borregaard. E deu certo: em 1974 (a prefeitura) parou de fazer a poda das árvores; a Borregaard foi fechada para fazer o tratamento dos seus resíduos; o Parque de Itapuã está aí até hoje…

JC – Teve o estudante que subiu na árvore…

Dayrell impedindo a derrubada da árvore - Foto: arquivo da AGAPAN

Milanez – Eu inclusive fazia Engenharia e o Carlos Dayrell, que subiu na árvore da avenida João Pessoa, era meu colega. Queriam aproveitar as férias para cortar todas as árvores, mas se deram mal porque era dia de matrícula na Ufrgs. Foi uma loucura. A mídia nos procurava muito porque tudo era proibido noticiar, mas não havia restrições a publicar nossas ações… Mas naquela vez veio o Dops, inclusive passaram a ir nas reuniões da Agapan. A ecologia passou a ser um tema subversivo. Era um tema novo, a Agapan era a primeira entidade do Brasil. Na época, éramos chamados de “folclóricos”, tinha muita gozação, muita desconsideração, nos chamavam de “lunáticos”, sem base científica… E nossas afirmações, 20 ou 30 anos depois, foram confirmadas pela ciência.

JC – Hoje existem questionamentos ao aquecimento global…

Milanez – Estamos numa situação crítica. Saiu agora um estudo de cientistas russos, apoiado por cientistas do mundo inteiro, mostrando que se está liberando uma quantidade tão grande de metano que se calcula que é uma soma cinco vezes maior do que tudo que se liberou até hoje. Não tenho nenhum interesse em ser alarmista, mas pode ser o início de um colapso. O aquecimento global não precisa ser contestado, porque todos os anos está subindo a média da temperatura da Terra. E o maior problema imediato é o desregulamento climático, por exemplo, fazer calor no inverno – aí brotam todas as frutíferas, vem uma geada depois, mata as plantas, que na verdade estavam estocando energia para a primavera.

JC – A questão ambiental foi institucionalizada em órgãos governamentais e pela própria sociedade nesses 40 anos. Qual é o papel do movimento ecológico no cenário atual?

Milanez – Vai mudando conforme a época. A grande função do ambientalista é ser visionário, é enxergar possibilidades – tanto para o mal quando para o bem – antes da ciência. A ciência ainda é muito lenta, está 30 anos atrás na sociedade. Então, a função é levantar as dúvidas, propor soluções, mostrar possibilidades que não estão sendo vistas. Por exemplo, a Organização Mundial da Saúde, inexplicavelmente, aumentou de 10 a 100 vezes a nossa tolerância para agrotóxicos. É meio estranho… Em 1997, a gente trouxe um documentário da BBC de Londres – Agressão ao Macho – que mostrava os danos dos plásticos e dos agrotóxicos na fertilidade masculina. Era a descoberta de um cientista dinamarquês, que foi se articulando com norte-americanos e europeus e mostrava a perda de fertilidade dos homens em função do estrogênio. Viram que muitos agrotóxicos tinham (estrogênio), e algumas substâncias formadoras no plástico – o ftalato, por exemplo, substância base que dá flexibilidade à garrafa PET – e liberavam, causando um efeito estrogênico. Então, o ambientalista tem que dizer coisas que não são ditas na nossa sociedade.

JC – Quais são as principais lutas da Agapan hoje?

Milanez – Nossa ideia é reavivarmos a grande bandeira educativa da Agapan. Ao longo dos anos 1970 e 1980, fizemos cursos pelo Interior do Estado e muitos líderes se formaram, gente de outras áreas, a gente precisa dialogar com a sociedade. A luta mudou. Era de rua no início, protestos, passeatas. Depois, com a Constituição de 1988, criaram-se conselhos; a Agapan, nos anos 1990, participava de 56 conselhos – estadual do Meio Ambiente (Consema), municipal de Porto Alegre (Comam), nacional do Meio Ambiente (Conama), Conselho do Lago Guaíba, Conselho do Plano Diretor…. E a Agapan ainda faz o milagre de ser voluntária. Hoje, nossa principal função é educar, descobrir novas formas de atuar. Por exemplo, o Ministério Público passou a ter promotorias especializadas em meio ambiente, o Judiciário está começando a crescer nessa jornada, tem o Batalhão Ambiental da Brigada Militar…

JC – Qual é a sua expectativa para a Rio+20?

Milanez – As pessoas têm expectativas de acontecimentos na Rio 92 ou na Rio+20, mas não acontecem coisas importantes nessas reuniões, porque elas já estão prontas, é só uma formalização. Mas acontecem coisas maravilhosas como o Fórum Global (evento da sociedade civil paralelo à conferência da ONU). É infinitamente mais produtivo, o outro é bem burocrático. Na Rio 92, o Fórum Global foi uma grande chance para a gente (movimento ecológico) se articular e conhecer pessoas do mundo inteiro. Hoje já será para outra coisa, de certa maneira, para conhecer pessoalmente quem a gente já conhece pela internet…

JC – O Fórum Social Mundial teve um papel nessa formação de redes globais de ONGs?

Milanez – Sim, muito grande. A Rio 92 reuniu um monte de gente, mas era temática. E o Fórum Social Mundial começou um trabalho de diálogo com todo o tipo de questões… E também de formação de redes, discussões. Agora, na Rio+20, com esse colapso que está acontecendo de liberação de metano, pode vir a acontecer alguma coisa que gere resultados.

JC – O quê?

Milanez – Por exemplo, algo novo e sério em termos de clima, para países que são os maiores emissores – China, Estados Unidos. Apertar o cerco, ter coragem.

JC – E o Fórum Social Temático de Porto Alegre?

Milanez – Vai ser interessante. Nós (Agapan) estamos trazendo um monge budista japonês que trabalha com a questão nuclear e com um povo da ilha dele que é pré-japonês – caso igual ao dos indígenas brasileiros. Estamos articulando com os indígenas daqui. Nossa contribuição é trazer, quando estão pensando em seguir com o programa nuclear brasileiro, um pouquinho da realidade do Japão, que é para ser um país modelo.

JC – Qual é a sua avaliação do governo José Fortunati (PDT) na área ambiental?

Milanez – Não tem coisas muito marcantes. Houve um grande respeito na consulta popular sobre o Pontal do Estaleiro, que demonstrou que a população não quer o que os vereadores querem – (na Câmara Municipal) sempre, invariavelmente, vence a especulação imobiliária. E eu sou arquiteto, não sou contra a construção civil. Sou contra a especulação, porque perde o empresário, o consumidor que compra uma coisa e daqui a pouco a região fica insuportável pela própria especulação. É ruim para todos… Então, a consulta foi positiva. E não somos contra espigões, mas têm que ter recuos (afastamentos) e respeitar o espaço público. Quer um apartamento com vista para o Guaíba? Faz na avenida Icaraí, não na beira do Guaíba. A orla deve ser pública, com o acesso de todos ao rio Guaíba.

JC – E o governo Tarso Genro (PT) na área ambiental?

Milanez – Ainda não dá para dizer a que o Tarso veio.

JC – E o governo Dilma Rousseff (PT)?

Milanez – Dilma foi uma liberadora de obras e o PAC atropelou questões ambientais em várias hidrelétricas, como Barra Grande. Nesse aspecto, desde o ex-presidente Lula (PT) foi um período ruim. O Ibama segurava um pouquinho, agora passou para os estados. É absurdo. E a municipalização é um absurdo também. O Rio Grande o Sul tem o órgão ambiental mais sério do Brasil. Mas a Fepam é do tamanho de nada para dar conta de um Estado desse tamanho. Não é culpa dos técnicos.

JC – A razão do gargalo ambiental na liberação dos investimentos é a falta de equipe dos órgãos governamentais?

Milanez – Claro. São meia dúzia de fiscais. E isso é generalizado, a Smam (Secretaria do Meio Ambiente) tem 0,02% do orçamento de Porto Alegre. Falta equipar os órgãos ambientais no Brasil.

JC – O que o senhor pensa do desenvolvimento da Metade Sul com plantações de eucalipto?

Milanez – É só perguntar aos fazendeiros da região o que está acontecendo em termos de depressão, abandono de mão de obra – porque levaram gente para trabalhar nas plantações, intensivamente, e agora os caras ficam jogados até o próximo plantio ou colheita. E o sujeito que tinha uma terra no Pampa agora está cercado de uma plantação da maior árvore que existe no mundo e que é a maior máquina de evapo-transpiração que existe, seca rio, arroio… Só vai dar para plantar eucalipto. No Rio Grande do Sul, há milhões de anos tem árvores na Metade Norte e não tem na Metade Sul. O razoável seria plantar onde? E o Pampa é um ecossistema delicado, baseado em gramíneas e plantas pequenas, arbustivas. O que aconteceu em Alegrete? Rebaixou o lençol freático, as pequenas plantas não alcançaram, virou deserto.

JC – E fábricas de celulose?

Milanez – Precisamos de papel – eu uso papel -, então, devemos ser coerentes, precisamos de fábrica. O problema é escolhermos isso como vocação. Por exemplo, a pecuária orgânica poderia ser uma boa solução, o arroz orgânico. Mas estamos plantando eucalipto… Em Guaíba, já temos duas ações contra a Riocell (CMPC Celulose). Já propusemos tirar se eles concordassem em retirar o cloro do processo industrial. Aí, disseram que iam tirar o cloro elementar e passar a usar dióxido de cloro. Não aceitamos. Isso aí e uma bomba-relógio para Porto Alegre. Se dá uma acidente naquela fábrica… Cloro é a coisa mais tóxica que existe. Qual é aceitabilidade de dioxina na água? Zero. O branqueamento da celulose deveria ser feito sem nenhum composto de cloro. Então, se sou a favor de fábricas de celulose? Depende onde vai ser instalada e da tecnologia que ela vai usar.

Fonte: Jornal do Comércio

Em 2009 Porto Alegre disse NÃO

Em 23 de agosto de 2009 Porto Alegre disse NÃO

No dia 23 de agosto de 2009 a população de Porto Alegre foi às urnas para decidir o futuro da Ponta do Melo, pois a maioria da Câmara Municipal alterou o regime urbanístico da área do antigo Estaleiro Só para possibilitar a construção do projeto imobiliário Pontal do Estaleiro.

Foi o primeiro caso em que a população decidiu, pelo voto, o futuro de uma região em nossa cidade.

Uma grande vitória da cidadania que participou de duas Audiências Públicas e duas votações na Câmara antes de dizer Não na “Consulta Pública” de 23 de agosto de 2009.

Os motivos para votar Não:

Vídeo da Frente do Não, feito pela Casa de Cinema de Porto Alegre:

Na TV, após a Consulta Pública:

Imagens das Audiências na Câmara, material de divulgação, manifestações contra o projeto e no dia da Consulta Pública:

Este slideshow necessita de JavaScript.

A Frente do Não:

https://poavive.wordpress.com/frente-do-nao/