Enquanto Porto Alegre corta árvores para dar mais espaço ao tráfego de carros…

Em Porto Alegre a prefeitura corta árvores para alargar vias, com o objetivo de colocar mais carros nas ruas. Foto do massacre de árvores no entorno do Gasômetro, em 06/2/2013 - Foto Cesar Cardia/Amigos da Rua Gonçalo de Carvalho

Em Porto Alegre a prefeitura corta árvores para alargar vias, com o objetivo de colocar mais carros nas ruas. Foto do massacre de árvores no entorno do Gasômetro, em 06/2/2013 – Foto Cesar Cardia/Amigos da Rua Gonçalo de Carvalho

Madrid expulsa os carros do centro da cidade!

Madrid expulsa el coche del centro
El Ayuntamiento igualará el precio de los parquímetros a los ‘parkings’, aumentará la superficie peatonal, impedirá estacionar más de dos horas y potenciará la grúa
Madrid quer mais pedestres e bicicletas e menos carros no centro - Samuel Sánchez /jornal El País

Madrid quer mais pedestres e bicicletas e menos carros no centro – Samuel Sánchez /jornal El País

El Ayuntamiento de Madrid, gobernado por Ana Botella (PP), ha diseñado un Plan de Movilidad con el que quiere desterrar progresivamente el uso del coche del centro. “Madrid es para las personas, no para los vehículos”, asegura el documento, al que ha tenido acceso EL PAÍS. Pretende “restringir la capacidad de circulación y aparcamiento”, aplicando medidas de “discriminación positiva” desde este mismo año hasta 2020 para favorecer así el transporte público, la bicicleta y al peatón.

Entre otras actuaciones, planea elevar el precio de los parquímetros hasta que cuesten lo mismo que los aparcamientos públicos y limitar el estacionamiento a un máximo de dos horas; aumentar un 25% las áreas peatonales; prohibir la circulación de grandes camiones durante el día; potenciar la grúa fuera de la M-30 y los vehículos con cámaras para multar en el centro; multiplicar los carriles bus y dar prioridad a los autobuses en los semáforos; así como delimitar tres nuevas zonas en las que sólo los vecinos accedan en vehículo privado.

El plan, elaborado en colaboración con oposición, agentes sociales, empresas y organizaciones del sector, busca reducir hasta un 8% el tráfico, bajar a la mitad las víctimas mortales (33 en 2010) y cumplir los límites legales de contaminación de la Unión Europea.

El 29% de los desplazamientos se realizan ahora en vehículo privado. El plan quiere reducir en cinco años ese porcentaje al 22%, elevando el uso de transporte público (del 42% al 46%), la bici y los peatones (del 29% al 32%).

Assim como em Porto Alegre, cosgestionamentos são comuns em Madrid - Samuel Sánchez/jornal El País

Assim como em Porto Alegre, cosgestionamentos são comuns em Madrid – Samuel Sánchez/jornal El País

SITUACIÓN ACTUAL. Vías saturadas y atascos
En Madrid hay 1,7 millones de vehículos, de los que el 80% son turismos. El parque móvil apenas crece desde 2005 debido no solo a la crisis, sino también al envejecimiento de la población. Los jóvenes y la actividad económica se están desplazando a la periferia, lo que ha contribuido a que se calme el tráfico en la almendra central pero crezcan los atascos fuera del radio de la M-30.

En un día laborable se producen más de 2,5 millones de desplazamientos en vehículo privado; siete de cada diez tienen su origen o destino en la periferia. Aunque el tráfico se redujo un 15% entre 2004 y 2012, apenas se notó en esos trayectos externos.

El 6% de los desplazamientos diarios implican un atasco, pero ese porcentaje se dispara precisamente en las vías de la periferia y en algunas muy congestionadas del interior de la M-30 (los bulevares, el nudo de Atocha, O’Donnell, etcétera). Madrid tiene 3.000 kilómetros de calles, pero el 85% del tráfico se concentra en sólo un tercio, que constituyen verdaderas “carreteras urbanas”.

APARCAMIENTO. Más caro, menos tiempo
Pese a que hasta 2012 se han creado 95.000 plazas de párking público y a que la oferta privada también ha crecido notablemente, más de medio millón de coches siguen aparcando en la calle. El Servicio de Estacionamiento Regulado (SER) tiene 165.000 plazas y 350.000 usos diarios. Hallar hueco en el centro “es prácticamente imposible durante todo el día”, lo que conlleva una congestión de coches dando vueltas para aparcar. El Plan de Movilidad prevé la creación de 15.000 plazas adicionales en las entradas de Madrid, pero requiere para ello de la colaboración del Consorcio Regional de Transporte.

Dentro de la ciudad, el SER “muestra signos de agotamiento”. Para reactivar su eficacia, se prevé elevar gradualmente las tarifas hasta que cueste lo mismo que los aparcamientos públicos. Es decir, doblar su precio: de 2,75 euros por dos horas en plaza azul a 4,85 euros. No se podrá aparcar más de dos horas poniendo otro tique, pues la matrícula quedará registrada. Para reducir la doble fila, se usarán vehículos de denuncia automatizada con cámara.

Calle Fuencacarral - sem carros, para pedestres e bicicletas e com ÁRVORES plantadas. Foto: Ayuntamiento de Madrid

Calle Fuencacarral – sem carros, para pedestres e bicicletas e com ÁRVORES plantadas. Foto: Ayuntamiento de Madrid

PEATONALIZACIONES. Aceras más anchas (Para os pedestres, calçadas mais largas)
El exalcalde Alberto Ruiz-Gallardón (PP) expulsó los coches de calles del centro como Arenal o Fuencarral en 2006, duplicando así el número de viandantes. Entre 2004 y 2012, la movilidad a pie subió del 29% al 31% del total de desplazamientos. En los últimos años se ha estancado por la paralización de nuevas peatonalizaciones debido, fundamentalmente, a la falta de dinero. El plan prevé pasar del 42% al 50% de superficie peatonal en la red viaria, no tanto mediante la peatonalización total de calles (se hará con algunas del centro) sino, sobre todo, con la ampliación de aceras y la reducción de carriles. Para ello, se ha definido una red peatonal en la almendra central. Además, se creará un recorrido específico entre el Retiro y la Casa de Campo a través del barrio de Lavapiés. Y se blindarán los pasos cebra, adecuando el tiempo en verde a la velocidad de los viandantes (0,5 metros por segundo).

PRIORIDAD RESIDENCIAL. Tres más, más baratas.
Existen tres áreas de prioridad residencial, donde sólo los vecinos pueden acceder en vehículo privado: en los barrios de Las Letras (desde 2004), Cortes (2005) y Embajadores (2006). En ellas, el tráfico ha caído un 32%. Pero “el sistema de regulación de accesos es complejo y con un coste notable”, por lo que es “difícilmente exportable a otras zonas”. Así, se prevé crear tres más con “soluciones de menor coste” que las cámaras de vigilancia, en los barrios de Ópera, Justicia y Universidad.

MOTOS Y BICICLETAS. Más aparcamientos.
El número de motos y ciclomotores ha subido un 30% desde 2005, y aunque las plazas de aparcamiento se han triplicado, siguen siendo “totalmente insuficientes” (hay 5.937 para 144.500 vehículos). El plan prevé incrementarlas para liberar así las aceras, donde ahora pueden estacionar; también aumentarán los carriles-bus por los que podrán circular.

Respecto al uso de bicicleta, se ha multiplicado casi por tres en la almendra central desde 2008, pero sigue sin suponer siquiera el 1% de desplazamientos en vehículo. Además de extender la red de carriles-bici y las calles donde conviven con coches a menos de 30 kilómetros por hora, el plan prevé elevar el servicio público de alquiler de 1.580 a 3.300 bicicletas eléctricas.

TRANSPORTE PÚBLICO. Carril bus y semáforos
El transporte público mueve tres millones de viajeros al día, el 40% en autobús. Desde 2004, sin embargo, los usuarios han caído un 9%, fundamentalmente por la crisis. El Plan de Movilidad da por imposible el eje ferroviario este-sureste (San Fernando-Leganés), y propone una línea circular que cree una M-45 en tren. Esta actuación depende sin embargo del Ministerio de Fomento. Respecto al metro (bajo control de la Comunidad), sólo contempla la ampliación de la línea 9 hasta la zona de la calle de Costa Brava.

En cuanto a los autobuses urbanos, el plan propone una línea de gran capacidad que se disponga como M-35 radial en los distritos periféricos. Ante la “caída sostenida” de la velocidad de circulación (el 25% del tiempo de trayecto se pasa en atascos o semáforos en rojo), se quiere incrementar en 90 kilómetros la red de carriles bus, sobre todo en la periferia, donde algunos se habilitarán también para vehículos de alta ocupación en las horas punta.

Respecto a los semáforos, se pretende dar “máxima prioridad” a los autobuses en cruces con poco tráfico. El plan de movilidad prevé además crear tres intercambiadores, en Chamartín, Conde de Casal y Legazpi.

TAXIS Y ‘CAR SHARING’. Menos vehículos vacíos
En Madrid hay 15.646 licencias de taxi, prácticamente tres por cada mil habitantes. El 60% de vehículos circula vacío. El plan “contempla la posibilidad” de restringir la circulación de esos taxis vacíos en determinadas horas en las zonas congestionadas donde haya un número significativo.

Compartir coche (car-sharing) es aún una práctica minoritaria (en 2012 había 61 vehículos y 5.000 usuarios) que se busca incentivar con “facilidades” en el SER. El Ayuntamiento ve “fundamental” además la “integración de imagen” de esos vehículos y, “a más largo plazo”, su “integración con el transporte público” mediante tarifas reguladas.

CARGA Y DESCARGA. Más restricciones
En la almendra central se producen 33.000 operaciones diarias de carga y descarga, pese a la caída del 15% sufrida desde 2008 debido a la crisis. La distribución de mercancías es responsable del 14% de la contaminación y de una cuarta parte de los estacionamientos ilegales. Para reconducir esta situación, el plan prevé colocar parquímetros en esas zonas, no para cobrar sino para imponer un tiempo máximo de aparcamiento. Además, restringirá la circulación de camiones de gran tamaño durante el día, concentrando sus operaciones en horario nocturno.

Também no El País:
Madrid cerrará su centro al tráfico
El Ayuntamiento de la capital restringe a los coches de los residentes un área de 352 hectáreas: http://politica.elpais.com/politica/2014/09/21/actualidad/1411331079_560969.html
Em Porto Alegre, cortam árvores até de praças para darem mais “fluidez” ao trânsito de carros:

Felizmente, Porto Alegre resiste!

Vídeo: Fabrizio Arriens

Na quinta-feira, 19 de dezembro, entidades, ativistas sociais e ambientalistas tiveram que fazer pressão junto a vereadores para que a população seja ouvida, que aconteçam Audiências Públicas sobre o Plano Cicloviário e Parque do Gasômetro.

Especialmente sobre o Parque do Gasômetro a prefeitura municipal não aceita que seja votado o projeto prevendo o rebaixamento da Av. João Goulart. Sem o rebaixamento da via não haverá um Parque contínuo, apenas rebatizarão a área e com o trânsito pesado de veículos na via isso impede o acesso público de pedestres à Orla. Um verdadeiro absurdo!

Parque do Gasômetro - imagem do projeto da RP1/arquiteto Rogério Dal Molin

Parque do Gasômetro – imagem do projeto da RP1/arquiteto Rogério Dal Molin

Desde que foi descoberta a proposta da Região de Planejamento 1 (criação de um Parque unindo as praças Júlio Mesquita, Brigadeiro Sampaio e a área de orla junto a Usina do Gasômetro) e aproveitada entre outras propostas do então Movimento Viva Gasômetro, sempre foi defendida a criação de um Parque CONTÍNUO, sem uma pista de alta velocidade que impede o acesso de idosos, crianças e deficientes.

Ato em defesa do Parque da Harmonia na Praça do Aeromóvel em 17/12/2007 - Foto: Cesar Cardia/Amigos da Rua Gonçalo de Carvalho

Ato em defesa do Parque da Harmonia, na Praça do Aeromóvel, em 17/12/2007 – Foto: Cesar Cardia/Amigos da Rua Gonçalo de Carvalho

Atualmente a quase totalidade dos então integrantes do Viva Gasômetro desligou-se do tal movimento, restando apenas uma pessoa lá, pelo que percebe. Mesmo assim o Movimento Viva Gasômetro insiste em falar em nome da comunidade e participou de um chamado “GT do Parque do Gasômetro”, que inicialmente tinha como integrantes o MP/RS, IAB, AGAPAN, alguns representantes da prefeitura e poucos vereadores. Logo que ficou bem claro que IAB e AGAPAN defendiam um Parque de verdade – contínuo – com o rebaixamento da Av. João Goulart, tanto o IAB como a pioneira Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural (Agapan) não foram mais convidados para as reuniões. A Associação dos Moradores do Centro Histórico, também não participou dos encontros e a prefeitura e Câmara Municipal vendia a ideia que um “movimento”, atualmente de uma única integrante, representava os interesses da comunidade e ambientalistas.

Imagens do antigo Movimento Viva Gasômetro, então com vários integrantes na coordenação:

Este slideshow necessita de JavaScript.

No Sul 21:

Após pressões, prefeitura de Porto Alegre fará audiências sobre Parque Gasômetro e Plano Cicloviário

Débora Fogliatto

Previsto para ser votado nesta quinta-feira (19) pela Câmara Municipal de Porto Alegre, o projeto do Parque Gasômetro deve ir à audiência pública em fevereiro ou março de 2014. Após pressão dos movimentos sociais, os vereadores da base do governo concordaram com a retirada da proposta da pauta. Da mesma forma, será apreciado em audiência o projeto que retira a obrigação do investimento de 20% do arrecadado com multas de trânsito em ciclovias.

A vereadora Sofia Cavedon (PT), que havia proposto duas emendas ao projeto do Parque Gasômetro, explica que elas provavelmente não seriam apreciadas se houvesse votação, por falta de concordância com os vereadores do governo. A primeira proposta da vereadora se referia à integração das praças com a Orla através do rebaixamento da Av. Presidente João Goulart. Representantes do movimento que defende a criação do parque estiveram presentes na sessão e afirmaram que, sem o rebaixamento, a área pode ser transformada em uma pista de automobilismo. “O governo já disse que não dá acordo para colocar as emendas no projeto, e elas são fundamentais. É a luta do movimento ambientalista que defende que se rebaixe”, garante Sofia.

Ativistas pedem que não seja votado o projeto Parque do Gasômetro sem uma Audiência Pública e sem o rebaixamento da Av. João Goulart - Foto: Ederson-Nunes/CMPA

Ativistas pedem que não seja votado o projeto Parque do Gasômetro sem uma Audiência Pública e sem o rebaixamento da Av. João Goulart – Foto: Ederson-Nunes/CMPA

Durante as discussões com a prefeitura, a Agapan (Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural) foi uma das entidades que se manifestou a favor do rebaixamento, proposto na emenda de Sofia. “A Agapan se posicionou a favor do rebaixamento da João Goulart na última reunião que participamos, depois quando as reuniões retornaram não fomos mais chamados”, afirmou o militante Cesar Cardia. Da mesma forma, a IAB também foi retirada do grupo de trabalho.

A outra emenda proposta pela vereadora se refere à realização de concursos públicos para a elaboração de projeto do corredor Parque Gasômetro. “Hoje ficou expresso pelos vereadores da base que eles não querem concurso público. Mas o mais importante não é a divergência, é a questão da possibilidade da população conhecer o projeto em detalhe”, esclarece Sofia. A vereadora já havia proposto na reunião de Mesa e Lideranças que fosse realizada uma audiência pública, mas na ocasião sua sugestão não foi acatada.

Maria Inês Chagas, do movimento “Quantas copas por uma copa?”, defende a criação do Parque e afirmou que o movimento pediu para o vereador Airto Ferronato (PSB), líder do governo na Câmara, o adiamento da votação. “Pedimos para o vereador que não fosse votado sem audiência pública. A intenção deles era passar sem as emendas”, explicou.

Ciclovias

Após discussões na reunião de Mesa e Lideranças, que terminou com os vereadores da oposição pedindo para que a discussão fosse levada ao plenário, os parlamentares decidiram pela realização de audiência pública a respeito do PLCE 010/2013. O projeto retira a obrigação de a prefeitura investir em ciclovias 20% do valor arrecadado com multas de trânsito. Na segunda-feira (16), os vereadores votaram de forma unânime pela não-votação do projeto durante a reunião. Hoje, no entanto, a proposta apareceu na lista de pautas.

Ciclistas e ativistas do Quantas Copas e Agapan fizeram pressão para que a população participe das discussões. - Foto: Leandro Grehs Leite/Facebook

Ciclistas e ativistas do “Quantas Copas” e AGAPAN fizeram pressão para que a população participe das discussões – Foto: Leandro Grehs Leite/Facebook

“Havíamos retirado da votação o projeto que mutila o plano cicloviário. E se retirou por unanimidade, porque independente dos péssimos méritos do projeto, a Câmara concordou com uma audiência pública”, esclareceu Fernanda Melchionna (PSOL) na plenária. Após discussões, os ciclistas que estiveram presentes na Câmara puderam comemorar a decisão de realizar audiência pública sobre o projeto. O líder do governo, Airto Ferronato (PSB), ao concordar com a realização da audiência, afirmou que “jamais o governo vem à Câmara impor o que entendemos como melhor caminho”.

Uma audiência pública já havia sido marcada a respeito do projeto, mas o governo municipal não mandou representantes. “O governo acha que tem o direito de não mandar representação para um projeto de sua autoria. Aceitar isso é aceitar a premissa da monarquia, do autoritarismo, de um governo que se comporta como uma criança mimada, que não aceita críticas”, criticou Melchionna. Segundo ela, o governo nunca explicou o motivo de propor a retirada do investimento.

Com as decisões, os dois projetos voltarão a ser discutidos em fevereiro, quando a Câmara retomar os trabalhos, e devem ser votados até março.

No Jornal do Comércio:

Parque do Gasômetro será votado somente em 2014

Entidades que discordam do projeto pressionaram para adiamento

Fernanda Nascimento

A votação do Projeto de Lei Complementar (PLC) 20/2013, que institui o Parque do Gasômetro, foi adiada pela Câmara Municipal de Porto Alegre, quinta-feira. A decisão aconteceu após integrantes de movimentos sociais contestarem o projeto e pedirem a realização de uma audiência pública para discutir o tema. A perspectiva é de que o diálogo com a população aconteça depois do Carnaval, no início de março.

O projeto prevê que o parque terá como limites as praças Brigadeiro Sampaio, Júlio Mesquita e a área que atualmente é de propriedade da Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE), entre a rua Washington Luiz e a avenida João Goulart, em frente à Câmara. A matéria chegou ao Legislativo dez meses após o corte das árvores do entorno da Usina do Gasômetro, que gerou uma tensão entre a prefeitura e os movimentos ambientais. O Parque do Gasômetro estava previsto na revisão do Plano Diretor sancionada em 2010, mas a legislação específica que deveria delimitar o local em 18 meses não havia chegado ao Legislativo.

Depois de o Ministério Público ingressar com uma ação e conseguir uma liminar impedindo o corte de oito árvores previstas para retirada da praça Júlio Mesquita, o Executivo começou a negociação com a Justiça e os movimentos sociais para delimitar a área. Mas a proposta apresentada não contemplou a todos.

Nas galerias a ação dos ativistas junto aos vereadores - Foto: Ederson-Nunes/CMPA

Nas galerias a ação dos ativistas junto aos vereadores – Foto: Ederson-Nunes/CMPA

A principal reivindicação dos manifestantes presentes na sessão é para que no projeto conste a previsão de rebaixamento na avenida João Goulart, próximo à praça Júlio Mesquita, interligando o Parque do Gasômetro à orla do Guaíba.

Foi fundamental a presença dos ativistas - Foto: Antonio Paz/JC

Foi fundamental a presença dos ativistas – Foto: Antonio Paz/JC

O pedido foi realizado pela vereadora Sofia Cavedon (PT), em uma das três emendas que o projeto recebeu, mas a orientação do governo municipal é de rejeitar a sugestão.

“O projeto que trata da acessibilidade do parque de forma subterrânea custa em torno de R$ 80 milhões, e o Executivo não tem estes recursos. Também existe a possibilidade de ter um parque arqueológico no local, além da questão do lençol freático. Não podemos correr o risco de aprovar algo impossível”, disse o líder do governo, Airto Ferronato (PSB).

Mas, para o integrante da Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural (Agapan) Cesar Cardia, a passagem subterrânea é um item imprescindível para o projeto. “Isso não é um parque, é apenas trocar os nomes das praças por parque e deixar uma via expressa no meio”, criticou.

As outras emendas também estão na pauta de reivindicação dos manifestantes e, da mesma forma, deverão ser rejeitadas pela base do governo. Uma delas é de autoria do vereador Professor Garcia (PMDB), que requer o impedimento do uso da praça Júlio Mesquita como estacionamento – ao contrário do que prevê o projeto de revitalização da Orla do Guaíba, realizado pelo arquiteto Jaime Lerner, após contratação da prefeitura. A outra proposta é de Sofia e pede a realização de concurso público para a revitalização da praça.

“O governo enxerga com simpatia as duas. Mas este projeto trata da delimitação, então por isso o indicativo de rejeição”, disse Ferronato. Para Sofia, o adiamento é a oportunidade de a população conhecer o projeto e discutir as propostas e emendas, acrescentando novas sugestões. “As emendas são centrais, todo o movimento ambientalista quer o rebaixamento, a integração das praças e o concurso. Nossa defesa é pela maior democracia”, disse a petista.

A única entidade que manifestou contrariedade com o adiamento foi o Viva Gasômetro. Para a presidente da associação, Jacqueline Sanchotene, o adiamento foi uma “derrota para a população mais pobre, que utiliza o parque”. “Ano que vem é eleitoral, tem Copa do Mundo, e isso vai se prolongar. Quem perdeu foi a população de mais baixa renda. Faz sete anos que estou nesta causa e a minha posição é de que deveríamos ter garantido o parque”, afirmou.

Leia:

Isso é coisa de meia dúzia?

Debate sobre o Plano Diretor Cicloviário – II

Do Blog “Vá de Bici!

Debate na COSMAM - Foto: Tonico Alvares/CMPA

Relato: Audiência Pública sobre Plano Diretor Cicloviário na Câmara de Vereadores

(Posted on 01 março 2012 by Marcelo)

Nesta quinta-feira, às 10h da manhã, participei da reunião sobre o Plano Diretor Cicloviário de Porto Alegre, na Câmara Municipal de Vereadores. Vou fazer um breve relato, mencionando apenas os pontos que achei relevantes.

Na reunião estavam presentes vereadores membros da Comissão de Saúde e Meio Ambiente (COSMAM), representantes do governo municipal (EPTC, SMAM e INOVAPOA), o promotor do Ministério Público Luciano de Faria Brasil (que ficou sabendo da reunião através deste blog) e membros da sociedade civil, defensores da bicicleta como modal de transporte.

A participação do promotor do MP foi incisiva. Luciano de Faria Brasil relatou que a EPTC não respondeu ao pedido de explicações referente à parcela de 20% das multas que deveria ser aplicado na implementação de ciclofaixas, ciclovias e na educação de trânsito voltada à bicicleta. O prazo de resposta ao primeiro pedido, que era de 30 dias, já esgotou. O MP fez outro pedido à EPTC esta semana, que esgota em 10 dias. Embora a EPTC não tenha respondido, informando qual o total arrecadado com multas anualmente, o promotor fez uma estimativa de R$40 milhões de reais por ano, dos quais, 8 milhões deveriam ter sido investidos para implementação do plano diretor cicloviário.

Segundo o promotor, quer a EPTC responda ou não ao pedido de explicações, existem três possíveis desdobramentos para o caso:

Arquivamento do processo, caso não seja apurada nenhuma irregularidade;

Acordo amigável entre MP e EPTC, no qual a EPTC se comprometeria a cumprir a lei;

Entrar com ação judicial contra o governo municipal, exigindo o cumprimento imediato da lei.

Ainda segundo o promotor, o dinheiro dos anos que já passaram não estaria perdido, a administração municipal seria obrigada a realizar também os investimentos relativos a 2010 e 2011, bem como a cumprir a lei daqui por diante.

Leia todo o relato aqui: http://vadebici.wordpress.com/2012/03/01/relato-audiencia-publica-sobre-plano-diretor-cicloviario-na-camara-de-vereadores/

Atualização em 2 de março

No Jornal do Comércio de 2 de março:

Maior parte da verba do Plano Cicloviário não é utilizada

Jessica Gustafson, especial

O Plano Diretor Cicloviário de Porto Alegre, sancionado em maio de 2009, prevê a construção de 495 quilômetros de ciclovias na Capital. Até o momento, apenas oito quilômetros foram destinados aos ciclistas. Com o objetivo de discutir o cronograma de obras e o orçamento destinado para a implantação, a Comissão de Saúde e Meio Ambiente (Cosmam) da Câmara Municipal da Capital realizou nesta quinta-feira uma reunião aberta ao público, com a participação da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) e da Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Smam). A discussão foi mediada pelo vereador Beto Moesch (PP), presidente da Cosmam.

Para Moesch, o plano é uma grande conquista da cidade, mas precisa ser efetivamente executado. O vereador ressalta que a primeira parte da implantação foi feita no bairro Restinga e que houve uma reação negativa do comércio local. “Como os carros podiam estacionar ali, os comerciantes foram contrários. Assim, temos de novo o conflito carro contra bicicleta. Muitos vereadores defenderam o local para os automóveis. Não é uma situação consensual”, relata. “Na avenida Ipiranga a execução parou porque o guard rail (guarda-corpo) de eucalipto é feio. Os postes da CEEE, que são muito mais feios, podem ficar”, critica Moesch.

Outro tema abordado na reunião é a não utilização da verba orçamentária destinada para as ciclovias. O presidente da Cosmam explica que foram aprovados R$ 2 milhões anuais para o plano. No entanto, em 2010 foi utilizado R$ 1,2 milhão e em 2011 apenas R$ 500 mil. “Existe também uma emenda no plano estabelecendo que 20% do valor arrecadado anualmente pela EPTC em multas sejam destinados para a execução das ciclovias e para a educação no trânsito e ambiental”. Moesch diz que, como esta porcentagem não foi utilizada, a comissão apresentou o fato ao Ministério Público e foi aberto um inquérito.

 

O diretor-presidente da EPTC, Vanderlei Cappellari, rebateu as críticas. “Estamos fazendo esforço para a construção da ciclovia na avenida Sertório e também estamos na reta final na da Ipiranga, que atrasou por causa da dificuldade de encontrar os materiais pedidos pelo arquiteto”, argumenta.

 

De acordo com Cappellari, a EPTC está de acordo com a arrecadação da porcentagem das multas. Entretanto, o diretor-presidente afirma que só a sinalização da Restinga vai custar R$ 1 milhão, mas que neste ano o plano receberá o valor estipulado. “Não é de uma hora para outra que a cidade vai aceitar retirar os estacionamentos para a construção de ciclovias. Nós temos procurado investir em locais que proporcionem uma continuidade de rota para os ciclistas. Em dois anos, Porto Alegre já terá uma boa área para este fim”, completa.

Link para a matéria do JC: http://jcrs.uol.com.br/site/noticia.php?codn=87812&fonte=nw

Debate sobre o Plano Cicloviário de Porto Alegre

Plano Cicloviário será debatido amanhã

O Plano Diretor Cicloviário Integrado de Porto Alegre (PDCI) será debatido nesta quinta-feira (1º/3), às 10 horas, na sala 301 da Câmara Municipal de Porto Alegre (Av. Loureiro da Silva, 255 – 3º andar – Bairro Centro). O evento, aberto ao público, é promovido pela Comissão de Saúde e Meio Ambiente do Legislativo da Capital (Cosmam).

Na pauta, constam o planejamento do Município na destinação de verba orçamentária para a execução do PDCI, a observância aos cronogramas para implementação da lei, a instalação de ciclovias com contrapartidas para a construção de empreendimentos e a destinação dos 20% do valor arrecadado em multas de trânsito para a consolidação do sistema cicloviário e a promoção de programas de educação de trânsito, diretriz prevista na legislação.

Estão previstas as presenças de representante da Promotoria de Justiça de Defesa do Meio Ambiente; do diretor-presidente da EPTC, Vanderlei Cappellari; do Secretário de Planejamento, Urbano Schmitt; do Secretário Municipal de Gestão e Acompanhamento Estratégico, Márcio Bins Ely; do Secretário Municipal Extraordinário para a COPA de 2014, João Bosco Vaz; e do secretário Municipal do Meio Ambiente, Luiz Fernando Záchia.

A reunião será coordenada pelo vereador Beto Moesch (PP), presidente da Cosmam.

Anote:

Reunião sobre o Plano Diretor Cicloviário Integrado de Porto Alegre

Data: 1º de março de 2012, quinta-feira

Horário: 10h

Local: Sala 301 da Câmara Municipal de Porto Alegre (Av. Loureiro da Silva, 255 – 3º andar – Centro)

Promoção: Comissão de Saúde e Meio Ambiente da Câmara Municipal de Porto Alegre – COSMAM

Informações: (51) 3220-4290

EVENTO ABERTO AO PÚBLICO

Fonte: Boletim Econotícias do vereador Beto Moesch

Chris Carlsson acredita na necessidade de uma remodelação das cidades

Do Jornal do Comércio:

Fórum Mundial da Bicicleta – Notícia da edição impressa de 24/02/2012

‘Massa Crítica não surgiu para protestar’, aponta o idealizador do grupo

Jessica Gustafson, especial

Chris Carlsson no Fórum Mundial da Bicicleta - Foto: Antonio Paz/JC

Teve início nesta quinta-feira o Fórum Mundial da Bicicleta na Usina do Gasômetro, em Porto Alegre. O evento acontece um ano depois do atropelamento coletivo de um grupo de ciclistas na Cidade Baixa. As atividades, que contam com oficinas e passeios, vão até domingo. O norte-americano Chris Carlsson, um dos idealizadores do grupo Massa Crítica, que começou a atuar em 1992, em San Francisco, ministrará dois painéis. Em entrevista ao Jornal do Comércio, Carlsson conta como o movimento foi criado e qual a motivação que leva os ciclistas a se reunir. Ele também comenta o acidente com os ciclistas na Capital.

Jornal do Comércio – Como foi o surgimento do Massa Crítica?

Chris Carlsson – Nesta época muitas pessoas começaram a andar de bicicleta em razão dos movimentos contra os carros e contra a poluição. No início era um movimento ecológico em San Francisco. Após algumas conversas, o grupo pensou que isso poderia ser um estilo de vida; para mostrar para as pessoas que a bicicleta pode fazer as mesmas coisas que um carro. Neste momento, as pessoas começaram a se reunir no meu escritório, para beber cerveja e conversar sobre política e estilo de vida. Muitos vinham de bicicleta e decidiram voltar para casa juntos. Nesta ida para casa, como tinha bastante gente, chegaram a trancar as ruas. Ainda não existia um nome para o grupo. A partir daí esse movimento começou a acontecer mensalmente, e se deu o nome de Massa Crítica.

JC – Como era a receptividade que as pessoas tinham com o Massa Crítica no seu surgimento e como é hoje?

Carlsson – No início, as pessoas achavam muito diferente. Alguns se perguntavam: “o que esses caras estão fazendo?” Mas hoje, nos Estados Unidos, a receptividade depende muito de um local para o outro. Cerca de 60% a 80% das pessoas que estão ao redor quando o grupo passa comemoram e apoiam o uso das bicicletas. Existe um número muito pequeno, eu diria uns 5%, que fica muito zangado, porque não entende o movimento e também nos considera uns desempregados e que deveríamos estar fazendo outras coisas. Mas a aceitação está crescendo.

JC – No Brasil o movimento é bem recente. Como é possível fazer essa motivação durar, como acontece nos EUA nestes 20 anos?

Carlsson – O principal é ter prazer no que se está fazendo. Aproveitar que está andando de bicicleta e chamar os amigos. Não se pode pensar que o movimento é feito para protestar, mas sim trazer as pessoas para se conhecerem, para realizar uma atividade que te proporcione prazer. Hoje o que se vê muito é a falta de comunicação, você não conhece o seu vizinho e as pessoas em geral. Esse pode ser o espaço para essa conversa. Quando a gente vê que mais pessoas estão aderindo, é mais uma etapa que está se vencendo.

JC – Quais mudanças uma cidade precisaria fazer para que as pessoas passassem a utilizar cada vez mais a bicicleta como meio de transporte?

Carlsson – Reconstruí-la. Hoje em dia, boa parte das cidades tem as ruas projetadas para a utilização de carros. O ideal seria ter uma boa parte das faixas voltadas para pedestre e outra para quem anda de bicicleta, que é um meio mais saudável e mais correto. Também uma pequena parte para os carros e tentar reduzir ao máximo os espaços para o estacionamento de automóveis. Isso forçaria as pessoas a ir a pé, ou de bicicleta, ou outro meio que não fossem os carros. Em cidades em que existe um planejamento, as pessoas passaram a fazer mais uso da bicicleta.

JC – Qual a sua reação quando soube do atropelamento dos ciclistas, integrantes do Massa Crítica, que aconteceu há um ano em Porto Alegre? Existiram outros casos semelhantes nos países onde o movimento acontece?

Carlsson – Eu achei surreal. O pessoal que participa do Massa Crítica em diversos países, como o Peru, a Colômbia, os Estados Unidos, teve conhecimento. Foram trocados muitos e-mails e artigos foram publicados em blogs. Foram feitos cartazes como forma de protesto contra o atropelamento. Houve muita discussão sobre o fato, porque nunca havia acontecido uma coisa semelhante nesses 20 anos. Acontecem pequenos acidentes no mundo com os integrantes do grupo, muitas vezes ocasionados por policiais, que em alguns locais são muito repressivos. Entretanto, em vez de diminuir a atuação do movimento, eles fortalecem. Esse acidente de Porto Alegre foi o pior que já aconteceu com o Massa Crítica.

Evento promove passeios ciclísticos

No final da tarde desta quinta-feira, o Fórum Mundial da Bicicleta promoveu um passeio com cerca de 150 ciclistas, com o objetivo de fazer as pessoas conhecerem a cidade utilizando bicicletas. O grupo, que saiu da Usina do Gasômetro, passou por alguns pontos históricos do Centro, como o Cais Mauá, o Parque da Redenção e o Mercado Público.

Nesta sexta, o evento contará com diversas oficinas e painéis, como Bicicletas em Pauta – Mobilidade e Cicloativismo nos Grandes Meios de Comunicação; Porto Alegre e a Bicicleta – Problemas e Soluções; e Nowtopia: A Utopia do Agora – Como Programadores Piratas, Ciclistas Fora-da-lei e Jardineiros de Terrenos Baldios Estão Inventando o Futuro hoje!, com Chris Carlsson, no Parque da Redenção. Todas as atividades são gratuitas e não há necessidade de inscrição.

Ainda nesta sexta, o Massa Crítica realiza, às 18h30min, a sua pedalada mensal. No sábado, o fórum irá promover outro passeio pela cidade, desta vez ao Morro do Osso, na zona Sul. O grupo sairá às 8h. Mais informações no site http://forummundialdabici.com.

Fonte: http://jcrs.uol.com.br/site/noticia.php?codn=87254&fonte=nw