Copa 2014 e a “Lei de Gerson”

O que é a Lei de Gérson

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Na cultura brasileira, a Lei de Gérson é uma “lei” não-escrita na qual a pessoa que “gosta de levar vantagem em tudo” segue, no sentido negativo de se aproveitar de todas as situações em benefício próprio, sem se importar com questões éticas ou morais. O praticantes dessa lei costumam gostar tambem de pornografia, scat e coisas do gênero.

Origem

A expressão originou-se em uma propaganda, de 1976, para a marca de cigarros Vila Rica, na qual o meia armador Gérson da Seleção Brasileira de Futebol era o protagonista.

A propaganda dizia que esta marca de cigarro era vantajosa por ser melhor e mais barata que as outras, e Gérson dizia no final:

Gosto de levar vantagem em tudo, certo? Leve vantagem você também.

—Gérson

Mais tarde, o jogador anunciou o arrependimento de ter associado sua imagem ao anuncio, visto que qualquer comportamento pouco ético foi sendo aliado ao seu nome nas expressões Síndrome de Gérson ou Lei de Gérson. O diretor do comercial, José Monserrat Filho declarou: “Houve um erro de interpretação. O pessoal começou a entender como ser malandro. No segundo anúncio dizíamos: “levar vantagem não é passar ninguém para trás. É chegar na frente”, mas essa frase não ficou. A sabedoria popular usa o que lhe interessa. Nos anos 80 começaram a surgir sujeiras, escândalos e as pessoas começaram a usar a Lei de Gérson”.

Jornal do Comércio de hoje, 02/12/2010:

Vereadores de Porto Alegre aumentam os índices construtivos

Apenas 35 dias depois de a revisão do Plano Diretor de Porto Alegre ter entrado em vigor, a Câmara Municipal aprovou na sessão de ontem texto do Executivo que estabelece novo índice de aproveitamento para reformas ou ampliações em centros esportivos, clubes, equipamentos administrativos, hospitais, hotéis, apart-hotéis (residenciais com serviços de hotelaria), centros de eventos, centros comerciais, shopping centers, escolas, universidades e igrejas.

Após três horas de debate, os parlamentares optaram por aceitar a proposta da prefeitura, que usou como justificativa os preparativos para a Copa do Mundo de 2014. Na prática, a medida garante o aumento de índices construtivos para esses equipamentos. A validade é até o final de 2012.

Com isso, o proprietário pode aumentar o seu empreendimento com mais facilidade, sem necessidade de recorrer à compra de Solo Criado, que é pago ao poder público. “É bom que se façam investimentos em shoppings e hotéis, que serão o cartão de visitas da cidade”, sustentou um dos defensores da matéria, vereador Idenir Cecchim (PMDB).

O vereador Sebastião Melo (PMDB) lembrou que a Câmara aprovou projeto semelhante para a realização da Arena do Grêmio, texto que tramitou na Câmara no fim do ano passado. “Demos para o Grêmio, então pensamos em hospitais e quem mais pode utilizar essa lei. Será bom para a cidade”, sustentou.

Na mesma linha, Adeli Sell (PT) defendeu que a alteração geraria benefícios para Porto Alegre, que considera uma “cidade de turismo de negócios”.

Apesar de ter sido aprovado com maioria – foram 23 votos favoráveis ao projeto contra sete contrários -, alguns parlamentares questionaram a alteração. Inclusive da base aliada do governo.

O vereador Beto Moesch (PP) argumentou que o texto deveria ter sido enviado pelo Executivo ao Legislativo durante o debate sobre a revisão do Plano Diretor. “Esse projeto tinha que vir na discussão do Plano, quando estávamos mobilizados e tínhamos técnicos”, apontou.

Moesch ainda afirmou que o projeto apresentado pela prefeitura é melhor do que a regra aprovada durante a revisão do Plano Diretor, mas que atenta contra a validade da revisão da lei, que irá valer menos que a lei aprovada ontem. “Talvez o projeto seja melhor, mas rasga o Plano Diretor”, analisou. “Continuamos sem respeito ao Plano.”

A vereadora Fernanda Melchionna (P-Sol) observou que o projeto chegou em 12 de novembro ao Legislativo e ainda não havia sido devidamente analisado pelos parlamentares.

Fernanda também criticou o uso do Mundial de 2014 como justificativa para a mudança. “A Copa virá, mas a população da cidade já existia e seguirá depois da Copa”, reclamou. Sofia Cavedon (PT) indicou a necessidade de um estudo sobre o impacto da mudança na cidade.

Os vereadores também aprovaram emenda do vereador Luiz Braz que estende o mecanismo até o fim de 2012, a ideia original era de que ele só valesse até 2011.

O presidente do Sindicato de Hotelaria e Gastronomia de Porto Alegre (Sindpoa), José de Jesus Santos, encarou a adoção da medida como uma isenção para o setor. “É importante essa Casa ter entendido a oportunidade de valorização que essa isenção traz para a cidade”, comemorou. Jesus Santos tem expectativa de que a alteração incentive o crescimento do setor hoteleiro.

O orçamento de 2011, que estava na pauta, não foi votado. Deve ser apreciado na segunda-feira.

Fonte: http://jcrs.uol.com.br/site/noticia.php?codn=48110

Melhor dizendo:

Com a “desculpa da Copa”: RASGARAM o Plano Diretor de Porto Alegre!

Para quem não havia entendido porque o símbolo de cidade-sede da Copa lembra o “rótulo de guaraná ou cerveja”.

09/11/2010 - Prefeito José Fortunati presente no Lançamento do Comitê Organizador Porto Alegre 2014 e Instalação da Câmara Temática de Turismo e Rede Hoteleira. Foto: Ricardo Giusti/PMPA

Origem da foto acima: Fortunati apresenta Comitê e logomarca da Copa 2014

Anúncios

5 pensamentos sobre “Copa 2014 e a “Lei de Gerson”

  1. A Câmara de Vereadores de Porto Alegre aprovou quarta-feira, dia 1º, o Projeto de Lei Complementar nº 10/2010, do Executivo Municipal, que eleva os índices construtivos em 30%, 40% ou em até em mais de 100% dos centros comerciais, shopping centers, hotéis, apart-hotéis, centros esportivos, escolas e até igrejas que realizarem ampliações de suas atuais instalações. O projeto original previa o benefício para projetos protocolados até 31 de dezembro de 2011, mas uma emenda do vereador Luiz Braz, também aprovada ampliou, o prazo até dezembro de 2012.

    24 VOTARAM SIM AO PROJETO
    Adeli Sel (PT), Airto Ferronato (PSB), Alceu Brasinha (PTB), Bernardino Vendrusculo (PMDB), DJ Cássia (PTB), Dr. Raul (PMDB), Haroldo de Souza (PMDB), Idenir Cecchin (PMDB), João Dib (PP), João Bosco Vaz (PDT), João Nedel (PP), Luiz Braz (PSDB), Mario Manfro (PSDB), Maristela Maffei (PC do B), Mauricio Dziedricki (PTB), Mauro Zacher (PDT), Nilo Santos (PTB), Paulinho Rubem Berta (PPS), Paulo Marques (PMDB), Reginaldo Pujol (DEM), Sebastião Melo (PMDB), Tarcisio Flecha Negra (PDT), Toni Proença (PPS), Waldir Canal (PRB)

    7 VOTARAM NÃO AO PROJETO
    Beto Moesch (PP), Carlos Todeschini (PT), Fernanda Melchiona (PSOL), Mauro Pinheiro (PT), Pedro Ruas (PSOL), Sofia Cavedon (PT) e Maria Celeste (PT)

    Ausentes da sessão: Carlos Comassetto (PT), Aldacir Oliboni (PT), Thiago Duarte (PDT), Juliana Brizola (PDT) e Nelcir Tessaro (PTB)

  2. Pingback: Sobre a “especulação imobiliária” « Porto Alegre RESISTE!

  3. Como vcs conseguiram a logomarca de Porto Alegre 2014 assim, em bom tamanho? To procurando em vários lugares em não acho. Disponibiliza?

  4. Pingback: Sobre a “especulação imobiliária” « Liberdade de Expressão e Comunicação

  5. Pingback: Sobre a “especulação imobiliária” « Psol Osasco Núcleo Solidariedade Socialista's

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s