Brasil e a Monsanto

No Jornal do Comércio de hoje:

Notícia da edição impressa de 28/06/2010

Monsanto quebra a resistência aos transgênicos no País

Com mais de US$ 900 milhões investidos nos últimos dez anos, o Brasil hoje é considerado o segundo maior mercado para a Monsanto, empresa responsável pela difusão dos transgênicos entre os produtores desde 2005, com o início do plantio da “polêmica” soja RR. Ricardo Miranda, diretor de Desenvolvimento Tecnológico da Monsanto, relata que, após cinco anos de uso, as sementes transgênicas resistentes a herbicidas e insetos ganharam os campos brasileiros e somam cerca de 70% do que é plantado em soja e 50% do cultivo de milho no País.

Como contraponto, vale a pena ver o filme O Mundo segundo a Monsanto, em espanhol, com melhor qualidade que o disponível no YouTube:

“O Mundo segundo a Monsanto”, um filme que denuncia a gigante dos transgênicos

PARIS, 11 Mar 2008 (AFP) – O documentário “O Mundo segundo a Monsanto”, exibido nesta terça-feira pela TV franco-alemã Arte, traça a história da principal fabricante de organismos geneticamente modificados (OGM), cujos grãos de soja, milho e algodão se proliferam pelo mundo, apesar dos alertas de ambientalistas.

A diretora, a francesa Marie-Monique Robin, baseou seu filme – e um livro de mesmo título – na empresa com sede em Saint-Louis (Missouri, EUA), que, em mais de um século de existência, foi fabricante do PCB (piraleno), o agente laranja usado como herbicida na guerra do Vietnã, e de hormônios de aumento da produção de leite proibidos na Europa.

O documentário destaca os perigos do crescimento exponencial das plantações de transgênicos, que, em 2007, cobriam 100 milhões de hectares, com propriedades genéticas patenteadas em 90% pela Monsanto.

A pesquisa durou três anos e a levou aos Estados Unidos e a países como Brasil, Índia, Paraguai e México, comparando as virtudes proclamadas dos OGM com a realidade de camponeses mergulhados pelas dívidas com a multinacional, de moradores das imediações das plantações pessoas que sofrem com problemas de saúde ou de variedades originais de grãos ameaçadas pelas espécies transgênicas.

Robin relatou em entrevistas divulgadas pela produção do filme que tentou em vão obter respostas da Monsanto para todas essas interrogações, mas que a companhia decidiu “não avaliar” seu documentário.

Um capítulo do livro, intitulado “Paraguai, Brasil, Argentina: a República Unida da Soja”, relata o ingresso desse cultivo nesses países, que estão hoje entre os maiores produtores do mundo, por meio de uma política de fatos consumados que obrigou as autoridades do Brasil e do Paraguai a legalizar centenas de hectares plantados com grãos contrabandeados.

A legalização beneficiou obviamente a Monsanto, que pôdo cobrar assim os royalties por seu produto.

Marie-Monique Robin é uma famosa jornalista independente, que, em 2004, gravou um documentário sobre a Operação Condor chamado “Esquadrões da Morte: A Escola Francesa”- para o qual entrevistou vários dos maiores repressores das ditaduras militares dos anos 70.

Fonte: http://noticias.uol.com.br/ultnot/afp/2008/03/11/ult34u201215.jhtm

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s